Comissão Nacional de Eleições da Guiné-Bissau

A A A
A ministra de Administração Territorial e Gestão Eleitoral disse terça-feira que só vão utilizar os Cadernos Eleitorais corrigidos se os candidatos às eleições presidenciais de 24 de Novembro do corrente ano concordarem com o procedimento.
 
Maria Odete Costa Semedo falava após uma visita à Comissão Nacional de Eleições (CNE), para se inteirar dos trabalhos que estão a levar a cabo.
Estamos a trabalhar na correção do Caderno Eleitoral para fazer constar os nomes de cerca de 25 mil eleitores que ficaram de fora nas eleições legislativas, mas cabe aos candidatos decidirem junto da CNE se vão ou não utilizar o Caderno Eleitoral corregido”, esclareceu a governante.
A ministra acrescentou que se a decisão dos candidatos vier a ser a de não utilização do Caderno Eleitoral corrigido, vão simplesmente utilizar o caderno utilizado nas eleições legislativas de 10 de Março passado.
Costa Semedo sublinhou que a correção do Caderno Eleitoral está sendo feito para se evitar complicações no futuro, tendo justificado que se não fizeram a correção pode até haver reclamações do porquê de não correção.
“Não vamos resistir com os candidatos no que toca com o uso de Caderno Eleitoral corrigido, porque esse trabalho é simplesmente de índole técnico. Se não concordarem vamos apenas abdicar dele e os candidatos serão os decisores do procedimento final”, repisou a governante.
A ministra de Administração Territorial e Gestão Eleitoral reafirmara a missão da Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO) que esteve recentemente no país a impossibilidade de haver um novo recenseamento de raiz, reclamado por certas formações políticas.
Fonte: Lusa/Conosaba